Low Rider S

Intocada pelo gelo

A pacata Wisconsin, Frank Lloyd Wright e a nova motocicleta Low Rider® S Harley-Davidson® 

 

Texo: Steven Richards
Fotos: Josh Kurpius

Frank Lloyd Wright não está enterrado lá. Há uma lápide com seu nome escrito ali acompanhada por uma peça de vitral, mas não há ossos naquele solo.


Em 1985, a viúva de Wright, Olgivanna, ordenou que os restos do arquiteto fossem exumados da Unity Chapel em Spring Green, Wisconsin, que fica a pouco mais de 1,5 km de distância de Taliesin, o 'chalé do amor' de Wright, onde ele mantinha uma escola de arquitetura e também onde sua amante, Martha 'Mamah' Borthwick Cheney, e outras seis pessoas foram mortas pelo criado em 1914. As cinzas de Wright foram misturadas às de Olgivanna e estão preservadas agora em Taliesin West no distante Arizona, mas os ossos de sua amante Mamah continuam no jardim da Unity Chapel, sem cuidados, sob uma lápide rachada e coberta de vegetação.

Pegando a estrada

Quando estávamos de saída do cemitério, vimos nossa nova Low Rider S Harley-Davidson 2020 perfeitamente enquadrada pelos portões de ferro da capela, parecendo ameaçadora contra aquele cenário pastoril. Deixamos Milwaukee apenas com o básico e nos dirigimos para o oeste, atravessando a região leiteira da América, sem um plano definido e quando percebemos, estávamos a mais de 240 km de casa, seguindo sem rumo pelas estradas que cruzam fazendas e cidadezinhas pacatas do interior. Essas regiões são tranquilas e bem provincianas, e as pessoas que vivem ali parecem satisfeitas que seja assim. No entanto, não podíamos passar por ali sem fazer barulho com a Low Rider S, especialmente naquelas estradas ermas.

Taliesin desapareceu rapidamente da nossa vista à medida que rumávamos para o norte pela U.S. Highway 14, também conhecida como Frank Lloyd Wright Memorial Highway. Com a promessa de ser uma versão mais poderosa da motocicleta que passou a ser cultuada da noite para o dia e que desapareceu em 2017 com o restante da linha Dyna, a segunda geração de motocicletas Low Rider S conta com um motor 114 V-twin Milwaukee-Eight®, freios dianteiros duplos e os mesmos garfos invertidos do modelo Fat Bob, além de um ângulo acentuado da coluna de direção com 28 graus que a torna mais ágil. Com uma suspensão traseira monoamortecida e um chassi 90% mais rígido do que os dos modelos anteriores, a Low Rider S deve superar facilmente sua amada antecessora.

Colocada à prova

O mato à beira da estrada se curvava com a nossa passagem e o som do escapamento roncava pelos canos shotgun descentralizados conforme aumentávamos a marcha e exigíamos mais do acelerador, de novo e de novo, até que os estábulos, o gado e os silos de grãos ficassem distorcidos. A parte dianteira mergulhou com rapidez e suavidade enquanto pressionávamos a alavanca do freio, deslocávamos nosso peso sobre o amplo guidão da motocicleta, montado em um suspensor de quatro polegadas, e entrávamos lado a lado na estrada secundária. 

Não esperávamos que o terreno da região fosse tão extraordinário, com suas montanhas passando gentilmente no fundo e dando lugar a encostas rochosas, florestas densas e vales profundos. A região é conhecida como 'Driftless' (Intocada pelo Gelo), porque a área permaneceu intocada pelas geleiras e depósitos glaciais ou pelo acúmulo de neve carregada pelos ventos na última era glacial, ficando consequentemente mais acidentada do que o esperado na parte mais setentrional do Meio-Oeste dos EUA. Entrávamos em uma curva mais rapidamente do que na anterior, explorando os 33,1 graus de ângulo de inclinação da motocicleta, e já era evidente que a nova Low Rider S é uma motocicleta mais interativa e mais firme do que sua antecessora. 

História viva

Com 30 minutos na estrada, chegamos à cidade de Richland Center, terra natal de Frank Lloyd Wright e lar da inacabada A.D. German Warehouse, outra construção de Wright. Fomos recebidos no local por John Poole, secretário do Centro de Conservação da A.D. German Warehouse, que está levantando US$ 4,5 milhões para concluir a construção do edifício centenário. Ficamos maravilhados com os moldes de madeira usados para criar os frisos de concreto que decoram a fachada e seguem por escadarias formidáveis, que levam ao segundo e ao terceiro andar, onde nos vimos diante de gigantescos painéis quadrados da exposição do Guggenheim de 1953 sobre Wright, chamada 'Sixty Years of Living Architeture', cada um deles detalhando projetos do arquiteto. Foi uma pena ver essas obras se deteriorando depois de décadas de abandono. 

Infelizmente, logo depois que deixamos a Warehouse, as nuvens se abriram, e não demorou muito para que ficássemos encharcados por um aguaceiro de gelar os ossos. O motor Milwaukee-Eight começou a engasgar no molhado, então colocamos uma perna sobre o filtro de ar da motocicleta que estava exposto com a intenção de mantê-lo seco durante a viagem desconfortável e lenta rumo à nossa cabana na vizinha Cashton. A pitoresca casa de madeira ficava encravada no fim de uma estrada de terra, que ficou logo toda enlameada e suja. Enquanto a motocicleta tomava um banho de chuva, nós tomávamos um banho quente e demorado. O radar meteorológico exibia uma caleidoscópio infernal de cores roxas, vermelhas e amarelas, então decidimos nos acomodar na varanda da frente e ver os relâmpagos rasgando o céu ao longe, mas logo estávamos olhando para a motocicleta Low Rider S e contemplando como ela era atraente em relação à original.

O velho e o novo

O novo modelo Softail tem um visual bem diferente da versão baseada na Dyna, como seria de se esperar em uma motocicleta que sofreu profundas mudanças, mas os designers da Harley-Davidson conseguiram captar a atitude e a presença da Low Rider S original. As características que a distinguiam e que foram mantidas, como a clássica carenagem e os acabamentos totalmente pretos, foram muito bem adaptadas para combinar com o desenho da nova motocicleta. Um para-lama traseiro suspenso acentua sua postura mais ereta, seu elegante assento anatômico com encosto alto é aconchegante e convidativo, e as letras góticas em negrito no tanque de combustível da motocicleta são inspiradas no modelo FXS Low Rider original dos anos 1970. 

O modelo Low Rider S da primeira geração saiu apenas em preto e bronze, um tema que sobreviveu até o novo modelo, mas a Harley-Davidson está oferecendo agora uma nova cor: Barracuda Silver, uma homenagem ao modelo FXDX Super Glide® Sport 99, o 'pai' da Low Rider S. Nossa discussão interna chegou ao fim quando decidimos que, embora a nova motocicleta não tenha um visual tão impactante quanto o modelo da primeira geração, que tinha um estilo que seduzia à primeira vista, a motocicleta Low Rider S 2020 foi aperfeiçoada de diversas outras formas, ficando assim tão deslumbrante como a original.

Voltamos para a cabana para passar a noite, mas algumas horas depois acordamos sobressaltados com algo batendo no telhado. Ouvimos as batidas no teto a noite toda e tivemos pesadelos com a Low Rider S afundando na terra encharcada. Quando saímos para a varanda com nosso café da manhã, tivemos o prazer de ver a motocicleta ainda parada ali no terreno ensopado na frente da casa e todo coberto com as folhas e os galhos que tinham sido carregados pelo vento. Escutávamos 'So Long Frank Lloyd Wright' do Simon & Garfunkel enquanto arrumávamos nossas coisas e continuamos cantando a música enquanto percorríamos lentamente a Highway 33: “Architects may come and architects may go and never change your point of view. When I run dry, I stop awhile and think of you”.

Hora da diversão

Situado em um cordilheira sobre o Kickapoo River Valley, o Wildcat Mountain State Park tem uma via de 4 km que é tão curta que chega a decepcionar, mas que oferece um dos passeios de motocicleta mais divertidos de toda Wisconsin; a estrada sobe e desce, serpenteando como um cânion californiano. Encontramos até um trecho em zigue-zague, coisa rara por ali. É o tipo de estrada ideal para pilotar um modelo Low Rider S, por isso colocamos nossa atenção o mais à frente possível e nos rendemos ao lado brincalhão das nossas crianças interiores. Nunca deixamos de ficar nas bordas externas do assento anatômico enquanto percorríamos o parque estadual, com a motocicleta balançando apenas quando freávamos bruscamente. No geral, ela se matinha firme, silenciosamente assegurando que poderíamos avançar, e foi o que fizemos. Foi um percurso curto e um ligeiramente perigoso, mas extremamente necessário para que pudéssemos fazer a jornada de mais de 270 km de volta para Milwaukee.

Saímos da rodovia apenas 5 km ao sul da sede da Harley-Davidson no centro de Milwaukee e estacionamos em frente ao Burnham Block, um remanescente dos projetos residenciais americanos de Frank Lloyd Wright, com os quais o arquiteto esperava revolucionar a moradia para pessoas menos privilegiadas. Embora o projeto tenha caído por terra, como muitos dos outros empreendimentos mais ambiciosos de Wright, aquele conjunto de seis pequenas casas permanecia ali como um lembrete do quão maravilhosamente criativo era o arquiteto. Nós o conhecemos melhor graças ao percurso que fizemos com nossa motocicleta Low Rider S 2020 Harley-Davidson, cujo espírito pretensioso é igual ao da saudosa original. Ela é mais mansa, mas não quer dizer que seja mansa, mais madura e ao mesmo tempo impulsiva, inabalável, mas sem perder a postura e impressiona de maneiras que a original simplesmente não conseguiria. Parecia bem à vontade lá, distante das cadeias de montanhas de Spring Green, conforme batíamos em retirada do Burnham Block cantando calmamente “So long, Frank Lloyd Wright”.